Trata-se de um projeto socioassistencial para pessoas em situação de rua, na faixa de 18 a 59 anos, com dependência de substancia psicoativa, que será desenvolvido em quatro fases distintas, cujo ciclo de resgate pode durar até 24 meses, respeitando cada etapa em equipamentos diferentes.

A primeira fase, consiste em realizar triagens e abordagens nos territórios, com o objetivo de criar vínculos afetivos e desenvolver a confiança dos dependentes químicos em situação de rua. Ao falar do projeto, a equipe de busca ativa oferece as possibilidades para inseri-los no processo, sempre conversando com a rede socioassistencial, encaminhando-os para aquisição de documentos, espaço de higiene, alimentação, saúde e outras demandas encontradas em cada atendimento. Importante ressaltar que as parcerias com Fundação de Ação Social de Curitiba, tais como a Operação inverno e o Ônibus Solidário, são ferramentas que oportunizam estreitar os relacionamentos da equipe com o público alvo.

A segunda etapa, unidade de acolhimento institucional (ainda está em fase de implantação em Curitiba,) visa acolher até 10 (dez) pessoas em uma Casa de Passagem que deverá prepara-los até 90 dias para terceira etapa que é o acolhimento em comunidade terapêutica. Localizada em Mandirituba, este equipamento conhecido como Cristolandia Paraná, está sendo desenvolvido conforme resolução 01/2015 do Conad, RDC 029/2011 e demais legislações complementares.

 

Dentro do regimento interno, estão inseridas as atividades diárias, destacando-se especialmente cursos de qualificação profissional visando a reinserção social. Nesta etapa o usuário permanece de 09 a 12 meses. E por fim, ainda a ser implantada, a quarta etapa será outro equipamento na modalidade de república.

Obs: Este projeto é mantido pela ABASC e seus parceiros; um deles é a Fundação de Ação Social (FAS) por meio do termo de fomento N°5569. Confira o termo aqui.